Querid@s Convidad@s

Querid@s convidad@s,

Agradecemos demais a presença e o carinho de tod@s no nosso casamento. Passem por aqui sempre que quiserem para rememorar e conhecer mais detalhes sobre o evento. =)

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

FOI!


Vou pra minha lua-de-mel e já volto, tá? Ao longo da semana vão saindo as fotos por aqui! Doses homeopáticas, pra você conseguir absorver toda a maravilhosidade do dia!!!!

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

A Lista

Nossa, como é difícil fazer lista de convidados! Noivo e eu não somos as pessoas mais sociáveis do mundo (apesar de sermos muito gente boa, né?!), então, no início, achamos que nossa festa teria no-máximo-estourando 150 pessoas.

Mas quando você coloca no papel o nome de todo mundo... Surpresa! Sua vida social é muito mais movimentada do que parece! Tava achando que era um trafegozinho de três da tarde? Tá mais pra um engarrafamento de seis e meia! Como diria o ex-gordo filósofo: Ô loko, meu! De onde saiu tanta gente?

E realmente vale a pena se perguntar isso: de onde mesmo saiu tanta gente? Da família, das amizades, do trabalho? Sim, de todos esses lugares-comuns. Mas também, e aí é que a porca torce o rabo, saiu mais tanta gente da sua família distante, dos círculos de amizade dos seus pais, dos namorados/maridos/escravos sexuais dos seus amigos... É, benzinho, tem que dar um jeito de caber todo esse mundo!

Leio muito em publicações internéticas o seguinte conselho relativo à criação da lista de convidados: convide apenas quem você realmente quer que vá. Parece óbvio e até fácil de fazer, né? Mas acontece, minha gente, que não é bem assim. #prontofalei

Longe de mim ceder a convenções da Idade da Porcelana. Porém, há coisas que não mudaram com o tempo. Uma delas é a influência da família direta na decisão sobre quem convidar para o casório. Isso se aplica principalmente se a família em questão está ajudando a custear a brincadeira. Eles se sentem no direito (que eu, particularmente, também  reconheço) de ter uma cota de convidados para si. E agora, José? Eu digo "não, não, não" pra manter a minha fama de má? Posso não ser muito versada em resolução de conflitos, mas se que o caminho não é por aí. (Além disso, quero evitar a fadiga.)

Então, tá. Você cede cria espaço na lista pros convidados dos seus pais. Agora tem que se virar pra incluir também os acompanhantes de toda uma galera. Afinal, você tem consideração por seus amigos e quer que eles possam levar suas outras metades da laranja, né? Na real, pra mim isso é o mínimo da gentileza, especialmente no caso daquele seu amigo que não conhece ninguém na festa. Pra mim, a regra de ouro ainda é me colocar no lugar do outro. Eu curtiria uma festa em que as únicas pessoas conhecidas não poderiam estar comigo o tempo todo? Como já disse, não tenho grandes habilidades sociais. Então, por que submeter meus amigos a uma situação na qual eu me sentiria desconfortável? Não quero. E fiz o possível para que isso não aconteça no meu casamento.
Não é legal ter que apagar alguém do seu dia. :(

Mas, infelizmente, você só pode esticar a lista de convidados até um ponto X. É que nem elástico: se forçar demais, estoura. Só que, no caso, o que estoura é o orçamento, hehehe. E assim, é com grande pesar que noiva e noivo acabam se vendo forçados a restringir o acesso de pessoas a uma festa tão especial. É chato. Muito chato. Chato demais. Passei muito dias com vontade de imprimir nossa lista de convidados só pra poder jogá-la no chão e pisar em cima, levantando poeira, pof-pof-pof! Agora, acho que finalmente estou me resolvendo com ela.

Contudo, que surpresas o futuro me reserva? Um dia, calmaria; no outro, furacão. Veremos se a Lista Satânica volta a atacar.